Estrada Parque Pantanal Sul à noite em Mato Grosso do Sul

Mergulho nas pedras da Estrada Parque!

Estrada Parque Pantanal Sul! Final de semana quente, de poeira e sustos! Ruim?! Nada, deliciosamente aventureiro!!!

Por conta do Motoconfraternização no Casario Rock em Corumbá/MS resolvemos ir pela Estrada Parque Pantanal Sul, e para quem não sabe e/ou não é do Estado de Mato Grosso do Sul, é uma estrada reconhecida desde 1993 pelo governo de MS como uma unidade de conservação de uso sustentável (aquelas onde haverá conservação dos atributos naturais, admitida a exploração de parte dos recursos, disponíveis em regime de manejo sustentável).
A Estrada Parque Pantanal Sul está localizada entre os municípios de Miranda e Corumbá (MS). E até a década de 80 era a única ligação viária entre Corumbá e Campo Grande, quando então foi implantada a BR-262.
Descobri por conta desta viagem que a Estrada Parque também leva outros nomes: Estrada da Integração, Estrada Boiadeira ou Estrada da Manga.
Confesso que há uns 03 anos passei por pequeno trecho desta estrada (tendo conhecido inclusive a famosa Curva do Leque), mas tal visita foi feita de van, com um grupo de colegas e os motivos foram acadêmicos. E com certeza quando era criança, de Fusca! Motivo: férias escolares. Mas aí já são outras histórias.
Desta vez, a viagem teve gosto de aventura, superação e é claro, um viés infinitamente muito mais contemplativo!
Apesar da estrada ser a principal rota de escoamento da produção pecuária das fazendas da região, a única boiada que vimos foi no asfalto mesmo, quando retornávamos de Corumbá.
Dizem (e eu li em alguns lugares) que a Estrada Parque possui 72 pontes. Mas há controvérsias, pois ouvi algo como em torno de 68 pontes seria a contagem correta.
O fato é que tentei contar, mas da 4ª ou 5ª ponte, eu já desisti… kkk E por que? Ah, eu tinha mais o que fazer: contemplar toda a beleza da região, fotografar, e rezar em cada travessia de ponte… (muitos risos)
Embora tenhamos chegado no final do dia à pousada Santa Clara (recomendadíssima), a contemplação noturna também é possivel. Nos 30 primeiros km já de terra, vimos lobinho, outros animais não identificáveis pelo meu pouco conhecimento em Biologia animal rsrsrs, muitos pássaros e ouvíamos uma bela orquestra da fauna pantaneira, quando as vezes paramos e o motor da BMW parava de roncar.

Após descanso na Pousada, a ideia era acordar sem horário para levantar e curtir um pouco da pousada após café da manhã. E assim estive mais próxima da natureza, observando as várias espécies de pássaros, porco do mato, as árvores de várias espécies, tamanhos e tonalidades. Como me senti bem!

De lá partimos para o restante e boa parte da Estrada Parque. Um passeio que todo mundo deveria fazer ao menos uma vez na vida. Li em algum lugar que costumam brincar e dizem que a Estrada Parque é o zoológico mais extenso do mundo! E depois desse passeio, acho mesmo que ali já foi mar, porque um grande trecho é de uma areiazinha fina que dava “medo” !  
Mal eu sabia que o perigo estava era nas pedras, bem lá na frente, alguns km a mais após a travessia de balsa, que se faz em menos de 5 minutos. 
 “No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho “. Não, Carlos Drummond de Andrade… No caminho tinha um rio de pedras rsrsrs… e nele demos um pequeno mergulho. Nem sei explicar o que senti, nem como me senti, mas até a noite fiquei pensando no tombo! O que o corpo fez para ir se defendendo dos galhos que fomos encontrando pela frente até a moto tombar definitivamente e ver que meus pés estavam inteiros e saíram intactos da botinha (esses tênis para trilha), já que a moto caiu sobre eles. O “desespero controlado” logo em seguida foi pelo temor de ficar ali por falta de gasolina, já que o tanque aberto após o tombo jorrava combustível. Pra mim, aquilo iria secar e o trabalho para sair dali seria pior do que ter que levantar a moto!
Reestabelecidos do susto, andamos mais 15 minutos e nunca fui tão feliz por ver um asfalto! kkk
Mas ainda assim, eu faria esta viagem novamente! Inenarrável a sensação de estar inserida nesta natureza praticamente intocada!
Claro que se aprende muito quando se viaja: porque se lê sobre o lugar, a própria vivência que as viagens nos proporcionam, o contato com as pessoas, novas culturas, novos olhares… E por mais que eu tente fornecer dados, descrever sentimentos, para este post, eu não conseguiria.

Então desta vez irei descrever a minha viagem muito mais por meio de  fotos, que saberão transmitir  com mais propriedade o que vivi e o que senti. E a verdade é que assim como Drummond…

Nunca me esquecerei desse acontecimento 
na vida de minhas retinas tão fatigadas. 
Nunca me esquecerei que no meio do caminho 
tinha uma pedra 
tinha uma pedra no meio do caminho 
no meio do caminho tinha uma pedra …

Sem problemas, juntei todas e fiz delas um castelo!

A coroação por toda esta aventura foi o encontro com amigos, velhos conhecidos, novas amizades, arroz carreteiro no clube AABB (delicioso por sinal), a recepção sempre muito simpática do casal Marcelo Xavier e Estela, muito rock a noite no Moinho Cultural e a volta pelo asfalto onde fomos contemplados por uma vista belíssima de ipês rosas, roxos, brancos e principalmente os amarelos que “iluminavam” a paisagem, mais pássaros, jacarés na Maria do Jacaré…

E  para fechar com chave de ouro, qual não foi a nossa surpresa, a chuva havia molhado o asfalto de Campo Grande, a temperatura estava mais amena do que quando a deixamos…

A bagagem? Foi parcialmente desfeita, e próximo fim de semana estamos de férias… A direção será o Sul do país que promete belezas igualmente exuberantes! E com certeza, mais reencontros esperados… E como sempre, aquilo que o motociclismo nunca deixa de nos proporcionar: novos amigos!

Início da Estrada Parque, única ponte de concreto que encontramos pelo trajeto percorrido…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (1)

O beleza do pôr-do-sol já nos dava uma ideia do que viveríamos neste  fim de semana

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (2)

Hummm, escureceu! Além do barulho da moto, a infinidade de sons emitidos pela fauna pantaneira

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (3)

Lanterna na cabeça, que tal darmos uma volta pela pousada?! Levanta da rede!!!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (4)

Como é inspirador acordar com um visual como esse… 

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (5)

Muitas araras… essas azuis eram “ariscas”, fotografar só de longe…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (6)

Arara vermelha faz sucesso, se deixa fotografar um pouco mais de perto…Mas cafuné, só da dona…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (7)

Famoso mata burro! Impede a fuga dos gados, mesmo quando a porteira está aberta. 

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (8)

Pegar a estrada rumo a Corumbá! Areia fina, um calor danado e olha o homem pantaneiro aí!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (9)

“Comemos” muito mais poeira a noite quando chegamos, do que durante o dia…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (10)

Um grupo de corajosos ciclistas… 

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (11)

Com um visual desses, eu até me esquecia das pontes de madeira…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (12)

Terra muda de cor… agora, ela é vermelha!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (13)

Pausa para contemplação…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (14)

Está quente, mas vai de capacete e tudo rs…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (15)

Vontade de parar e não sair mais daqui! 

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (16)

Pássaros por todos os lados…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (17)

A travessisa do Rio Paraguai é feita através da balsa. Serviço funciona somente durante o dia!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (18)

Finalmente conheci a estação de telégrafo instalada pelo Marechal Rondon, um desbravador do interior do país!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (19)

Ipês amarelos foram constantes em toda a volta pela BR 262… lindos de viver!

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (20)

Finalmente tirei foto do trecho que passei 2 anos e meio namorando, quando em Corumbá morei… Lindooo

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (21)

Até eu gostaria de ir para debaixo da sombra deste belo ipê! Mas minha caminha me esperava…

Estrada Parque Pantanal Sul Corumba (22)

Nossa página no facebook:   https://www.facebook.com/garupas 

6 ideias sobre “Mergulho nas pedras da Estrada Parque!”

  1. Bahhhhhhhh…………..vcs caíram na Estrada Parque Pantanal Sul? Nem sabia disso! Que bom que não machucaram. Essa parte depois da curva do leque, até chegar no asfalto é com muitas pedras mesmo, e piora na região da Serra do Urucum. Mas lá tudo é tão lindo ………… parabéns ao casal pela Trip no Pantanal.

  2. Oi, meu nome é Carol e sou blogueira da New Race. Quer trocar banners com link comigo? O banner do seu blog ficará na lateral esquerda. A intenção é eu levar visitar para o seu blog e o seu blog levar visitas para o meu. O que você acha?

  3. Olá, parabéns pela viagem e fotos. Eu e um amigo estamos pretendendo passear na Estrada Parque Pantanal Corumba, saindo de Santo André – S.P., no início de Janeiro/2014. Porém dizem que esta época é ruim para transpor a estrada parque de moto (muita chuva). Será que é tão difícil assim, ou dá para passear nos 120 Km da estrada?
    Obrigado. Estou no aguardo de algumas dicas. Um grande abraço e feliz 2014. Alex

  4. Alex, sim, é verdade esse é o período de chuvas, o período de cheia no pantanal é o mais rico e mais colorido entre outubro e março. Eu fiz esse tour em fevereiro uma vez.
    Deu tudo certo e nenhuma gota dágua em nenhuma ponte alagada. Aliás, eu e mais alguns mototuristas estaremos em Aquidauana – MS saindo pra Corumbá – MS dia 12 de janeiro. Talvez pela Estrada Parque Pantanal Corumbá. Se não tiver chuva, claro! Gostaria de saber quais são suas motos e suas datas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *